sábado, 29 de dezembro de 2012

Segredo de Família


Eu andava ocupado com a leitura dos scripts do novo filme e em breve as gravações começariam, ou seja, eu precisava criar o personagem dentro de mim. Ler matérias sobre a polícia e ainda teria de fazer aulas de tiro ao alvo. Enfim, eu estava cheio de coisas para fazer após a virada do ano. Enquanto marcava as aulas de tiro ao alvo, ouvi a campainha tocar. Como a Jessica não estava em casa, corri para atender.



Desci as escadas e, ao abrir a porta, avistei duas mulheres, uma idosa e outra adulta de costas conversando.

- Pois não? – Indaguei querendo saber do que se tratava, e esperando que não fossem testemunhas de Jeová! Nada contra, ok?


As duas mulheres viraram e, ao olhar para a mais nova, pude ver de quem se tratava: a irmã gêmea de Flora!
- Senhor Baron, boa noite!
- Oh meu Deus! Boa noite! Aconteceu alguma coisa com a Flora? – Indaguei preocupado.
- Não. Está tudo bem com ela, vim ter uma conversa com o senhor. – A senhora falou.
- Ah! Claro! Entrem! 



Ao entrarmos, perguntei:
- Vocês aceitam um chá, um café, uma água, um suco? Ou até mesmo uma vodka? – Parabéns, Andrew! Falar isso na frente da sogra!
- Não. Obrigada! – Minha sogra falou gentilmente. Notei a cara enfezada da irmã gêmea da Flora.
- Sentem-se!


Sentei com minha sogra e a irmã de Flora permaneceu em pé.
- Prefiro ficar em pé! – Ela falou de forma nada gentil. Agora já sei quem é a gêmea má!
- Begônia! – Minha sogra repreendeu a outra lá.
- Desculpa. – Ela pediu.
- Tudo bem! 



A gêmea má sentou na poltrona e minha sogra começou a falar:
- Andrew, é um prazer conhecê-lo! Desculpe o péssimo humor da minha filha, mas te garanto que não é de família, ok?
- Ah! Tudo bem! Desculpe, mas qual o seu nome? A Flora sempre fala apenas “mamãe”... – Sorri gentilmente.
- Ah sim! Desculpe-me! Meu nome é Carmen! E como já deve ter percebido, esta é minha filha Begônia!
- Ah sim! Prazer! – Um silêncio pairou no ar e resolvi fazer a perguntava que faltava. – Bom... Fiquei preocupado. A Flora está bem mesmo?
- Sim! E eu peço desculpas por vir aqui sem avisar, mas precisava conhecê-lo e ter uma breve conversa... Creio que não vá te atrapalhar.



Pronto. Lá vem!
- Claro que não! – Sorri.
- Andrew, creio que a Flora tenha te falado do ex-namorado dela, não?
- Sim! Ela falou por alto... A decepção amorosa que a levou a ir embora para Barnacle Bay. Certo?
- Sim! Só que Flora não te contou, creio eu, o que realmente aconteceu.

Fiquei levemente assustado.
- Bom... Não. Ela apenas citou o fim do romance.
- Era de se esperar...



- Andrew, existem certas coisas que são tidas como segredos de família, por isso te peço para não comentar nada, nem mesmo com a Flora.
- Claro! Ficará entre nós! – Prometi.
- Esse namorado da Flora foi o seu primeiro amor! Eles namoraram por quase oito anos, até ela descobrir que ele era um verdadeiro golpista! Estava apenas interessado no dinheiro de nossa família! Foi um baque para ela! Ainda mais por ter descoberto... Ao vê-lo... – Ela hesitou.
- Ele transava com a empregada da nossa casa! Era uma das amantes dele! A Flora pegou e terminou. – A gêmea má completou.

Notei que dona Carmen ficou levemente ruborizada e sem jeito. 



- Flora entrou em uma depressão profunda! Tentou suicídio, revoltou-se... Por noites tivemos de procura-la nas ruas. Ela é frágil! Ia para bares, andava com todo o tipo de gente... Pessoas ruins... Ela se rebelou! Já faz quase dois anos que eles romperam... Flora foi internada em uma clínica. Foi o único jeito de não deixá-la sair de casa. De fugir! Entende a dor que passamos?
- Entendo sim... E eu fico chocado por saber disso! Nunca imaginei, dona Carmen! Entendo sua dor.
- E o nosso medo, Andrew, é que você a traia. Todos sabem da sua fama de cafajeste, de galinha, de tudo! – Begônia completou de forma gentil. – Temos medo que você a magoe novamente e que tudo isso aconteça! Você tirou a Flora de um estado de solidão! E... Se vocês romperem, cremos que tudo possa voltar...



Afirmei com a cabeça e analisei a situação. Não estava em meus planos magoar Flora, e nem fazia parte de meus pensamentos casar e manter-me junto a ela para sempre. Foi então que me vi em uma situação extremamente difícil. Se eu continuasse com Flora, não poderia garantir amor eterno  e terminando com ela agora eu poderia fazer com que ela se afundasse novamente em um mar de solidão. 



- Dona Carmen... Begônia... Eu amo a Flora! Não faz parte dos meus pensamentos enganá-la nem traí-la. Como a Begônia falou, eu tenho uma fama... Uma péssima fama! Mas não me envergonho! Eu sou jovem, vivo a minha vida de forma livre e intensa, aliás, eu sempre vivi! A Flora despertou em mim um sentimento bacana... Amor! Ela é a segunda mulher que tenho coragem para assumir um namoro! A primeira foi há anos atrás e terminamos porque precisei ir para Twinbrook estudar, mas isso não vem ao caso. O fato é que eu amo a Flora! E já que, eu me apaixonei por ela, eu não vou ter medo de assumir todos os seus problemas, todas as suas preocupações. Por que é isso que um casal faz! Eu não prometo que vou casar e ter filhos com ela, mas prometo que vou me manter fiel e dar todo meu amor enquanto estivermos juntos. E espero que isso dure sim! A Begônia parece me achar um garoto mimado, inconsequente, mas eu não sou... Eu sei muito bem onde coloco meus pés e sei a gravidade dos meus atos. Eu quero e eu vou fazer a Flora feliz!



Ao terminar meu monólogo, as duas me olharam e sorriram. Fui aprovado pelo “conselho Albuquerque”!
- Mamãe, acho que podemos ir embora! Obrigada, Andrew! – Begônia falou sendo gentil.
- Claro, minha filha! Andrew, muito obrigada! Espero você no Ano Novo em nossa casa! E espero que você faça minha filha feliz!
- Eu prometo! Sobre o Ano Novo... Meu amigo está sozinho, minha irmã está na cidade... Creio que não seja adequado ir a sua casa com uma tropa! – Sorri.
- Fique tranquilo! Vá!
- Se a senhora preferir, podemos fazer tudo por aqui! Será uma honra!
- Veremos! Mas é melhor você fazer o convite à Flora! Para que ela não saiba que tivemos aqui.
- Claro! Ainda hoje ligo pra ela!



Begônia e dona Carmen levantaram e minha cunhada falou:
- Precisamos ir! Meu noivo vai vir nos buscar! Prazer, Andrew! – Ela falou de forma firme. A diferença entre ela e Flora era nítida. Flora tinha um jeito mais suave de falar, uma doçura... Já sua irmã...
- Obrigado por tudo, querido! – Dona Carmen falou dando-me um beijo na bochecha.



Acompanhei as duas até o lado de fora e ao avistar o carro, dona Carmen falou:
- Até breve, Andrew! Prazer conhecê-lo!
- Até, dona Carmen!

Begônia parou ao meu lado e me encarou:
- Nem pense que vou ser uma cunhada bobona, que se faz de cega! Se você trair a minha irmã ou meter ela em alguma confusão, você vai se ver é comigo e com o meu noivo, cunhadinho!

Engoli seco e falei:
- Pode deixar, cunhadinha!
- Estou brincando. Você parece ser gente boa, mas não traia nossa confiança!
- Pode deixar! Até breve!
- Até!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

A Nova Casa


Sabe quando você começa a sentir aquele vazio dentro de si? Pois, foi o que senti quando o decorador da casa afirmou que tudo estava pronto. O dia da mudança foi triste para mim. Segundo o filhodaputa decorador, meus móveis não estavam in e eu tive de gastar uma boa grana comprando novas coisas. 



Ali. Onde passei o último ano, havia sido um bom lugar. Aliás, maravilhoso! Meu cantinho. Meu infinito particular. 



A cama que tantas garotas acolheu... O espelho que tantas vezes agitou a relação sexual... Enfim. Tudo aquilo faria falta... Era um vazio. Aliás, toda mudança gera isso, não?



Mas, sem sombra de dúvida, o que mais me doeu foi olhar para a parede do quarto e não ver meus pôsteres. Está certo que eu já possuía um lugar reservado para eles, afinal, são de estimação... Mas não seria da mesma forma que foi naquele apartamento. Nunca mais seria!



Aquele prédio... Tá certo que não é dos melhores, mas eu podia chama-lo de lar... Meus vizinhos que... Bem... Tá certo que alguns não gostavam de mim, afinal as poucas festas que dei ali foram reclamadas – e COMO – por eles, mas eu sentiria falta. Até mesmo do síndico! Aquele filho da puta! Mas a vida segue, não?



Ok. Ok. Eu confesso! A nova casa tem uma vista LINDA, MARAVILHOSA, INCRÍVEL! A pessoa que a construiu e o decorador fizeram um belo trabalho! Agora, na MINHA CASA, eu podia ver as folhas caindo, fruto do outono, que estava em seu ápice! 



A sala é belíssima! Tem dois jardins de inverno com luzes vermelhas – que posso mudar de acordo com minhas preferências. 



A biblioteca é ampla e tem uma porta que nos leva a um banheiro, que não vou mostrar. Alguns instrumentos, cavalete de pintura, mesa de xadrez, estante de livros... Tudo muitíssimo bem decorado!



A sala de jantar me conquistou! Tenho uma mesa já pronta para festas, além de um balcão de bebidas e uma pequena mesa para poder brindar com os amigos!



Dali, há uma passagem para a garagem! Onde ficam meu carro e o que a Jessica ganhou do papai e da mamãe! Ok! Eu nunca ganhei carro deles, morrerei complexado! Pelo contrário, ganhei uma bicicleta! Valeu, mãe! Valeu, pai! 



Na cozinha, há uma estante rústica, ótima para guardar umas garrafas de néctar que comprei na minha última viagem à França!



A área do fundo... PELAMORDEDEUS! É um espetáculo! Piscina, jacuzzi, churrasqueira... Prevejo as festas que irão rolar aqui! 


Ao subirmos a escada na sala, vamos para o primeiro andar! Logo que chegamos lá, avistamos a porta do quarto da Jessica e a entrada da academia!



O quarto da maluca é todo rosa... Além do banheiro, há um outro cômodo anexo a ele que não sei o que tem dentro. Ela não me contou e foge quando pergunto... Então... Melhor investigar depois...



Agora tenho uma academia em casa! Simples, mas que dá para eu manter a forma!



Dobrando pelo corredor, avistamos mais duas portas!



Uma delas dá acesso ao quarto de hóspedes... 



E a outra a minha suíte! Nela há um relógio lunar que ganhei da Jessica – não sei pra que serve, mas ok. 



Há um pequeno cômodo onde coloquei meus pôsteres, meus peixes e comprei uma gaiola para hamsters. Sempre tive vontade de ter um! 



No meu quarto há uma televisão, cama, sofá... Tudo muito bem decorado e organizado! 



E por último, o banheiro! Que ficou um espetáculo, não?



Mas agora, voltarei aos meus exercícios... Se bem que... É. Não tenho tido muita força nos braços!

* * *
Queridos, finalmente terminei essa monstruosidade! Garanto que morar debaixo da ponte seria mais fácil D; 
Espero que gostem da casa ;] 
Domingo haverá a atuh de Ano Novo ;]

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Completando a "gangue"!

Olá meus amigos!
Trago boas novas!
Como alguns sabem, o projeto "Por Trás de..." foi criado em trio: Aníbal, Miss e Jess! Todos já conhecem o Andrew e o Christopher e agora vão poder conhecer a Luma! 

Espero que gostem tanto quanto eu! Basta clicar na imagem ;3

Por trás de Luma Morton

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Atraso nas Atualizações

Olá pessoal! Tudo bem? Como foram de Natal? 
Bom, vim aqui hoje escrever sobre o que eu temia que acontecesse!
Como todos sabem, eu AMO deixar os capítulos adiantados! As vezes deixo de semanas! Só que, neste mês, eu andei dando aulas de reforço e acabei não tendo tanto tempo. Pra piorar, tive de dividir meu tempo no save do Andrew com a construção da casa dela - que ficou IMENSA - e acabei não jogando tanto com eles. Eu iria terminar a casa no domingo, mas não estava muito bem e dormi cedo. A Jessica, criadora do Christopher, se dispôs a me ajudar, mas ela não teve condições por causa do Natal e do trabalho dela. Na segunda consegui terminar a casa, salvei, sai, só que, desgraça pouca é bobagem não é mesmo? O save do Baron deu problema e não entrava de jeito nenhum! Tive de removê-lo e usar um backup de horas antes, onde eu não tinha a casa pronta (só faltava o andar de cima). Por isso a atuh foi no apartamento dele e não na casa, como eu queria.  Já eram quase cinco horas da tarde e eu tinha de me arrumar para sair. Voltei para casa hoje e tinha de formular uma atuh e terminar a casa. Dei uma estudada pela manhã, mas agora fui jogar e meus olhos estão ardendo, sem falar que minha cabeça está a MIL! Meu cachorro, Lucky, está com uma otite - inflamação no ouvido - e preciso aplicar o remédio no ouvido dele, só que, ele é muito bonzinho (/ironia) e não vai deixar! Então preciso correr pra veterinário e ver comprimidos! A Meg me falou de uma pomada, mas não sei se o "anjinho" vai deixar! Então não estou com a MÍNIMA cabeça para jogar.

E agora vem a outra bomba! To dizendo!
Na próxima quarta, começam minhas aulas de revisão no cursinho. Ficarei a manhã toda e precisarei viajar durante um final de semana para fazer uma prova em Salvador e preciso estudar também né?
Por isso, eu irei suspender as atualizações das quartas, pelo menos até o final de janeiro (são só quatro semanas), mas não sei! Pode ser que eu atualize... Quando o espírito do Andrew baixa, sai de baixo!
Alguns podem pensar: "Ah AB! Mas e Vida de Estudante? Você vai atualizar lá!"
Provavelmente não. Como nessa rodada eu fui primeiro, as meninas irão postar e eu fico lá pelo final... Ou seja, lá pra fevereiro, então não pensem assim!
Peço MIL desculpas a todos, mas tenho de priorizar meu sonho, não é?

Então ficamos assim: atualizações todos os domingos e na quarta talvez sim, talvez não D;
Forte abraço a todos e boa semana!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Então é Natal


E eis que chegou a época mais esperada pelas crianças: o Natal! Papai Noel, presentes, árvores e blá blá blá... Aquela velha coisa de sempre. Eu planejava festejar o Natal em minha casa nova, mas resolvi comemorar tudo pelo apartamento. A Jessica fez questão de arrumar tudo para a festa!
Eu não iria lotar a casa. Além de minha irmã e Flora, chamei o Chris, a Alexis e a Catarina, sua noiva. Enviei também um e-mail para Sally e liguei para meus pais, porém, a irmã de meu amigo andava muito ocupada em Sunlit Tides e meus pais, bem, meus pais disseram que iriam para um baile da cidade – aposto que vai ter aqueles piratas chatos de sempre. 



O Christopher foi o primeiro a chegar. Estendi meu convite à Gisely, mas ele disse que ela iria passar com a família em Sunlit. Meu amigo ficou super feliz por conhecer a Jessica e a Flora.



Alexis chegou, e, ao seu lado, avistei sua bela noiva. De fato, Catarina era uma bela mulher, de fazer qualquer marmanjo babar. 



A noite estava agradável, mas eu estava preocupado com o Christopher. Ele parecia meio deslocado na comemoração, não sei se pelo fato dele conhecer apenas a mim ali, ou pela falta de Sally. Chamei-o até meu quarto para uma conversa.
- Pode falar! O que está acontecendo?
- O que? Eu? O que?
- Não se faça de sonso, Chris. Eu quero saber! Você está todo pensativo... Tá certo que as meninas estão conversando MUITO, mas eu te conheço bem pra saber que tem o dedo da devoradora de homens da Analiy.
- Não fale dela assim. – Christopher me repreendeu.
- O que? Vai defender a outra lá? Cara, a mulher é casada e te deu um beijo! 



- Olha só quem fala né, And?! Você é a última pessoa DO MUNDO que pode julgar a Analiy e eu.
- Ei, ei, ei! Espera ai! Eu NUNCA fiquei com uma mulher casada! E quando namorei a Rebeca, nunca a traí! Eu falo isso, porque fico preocupado com você, mas parece que está sendo em vão, né?
- Ah Andrew! Para com isso! Moralismo vindo de você não cola.
- Ah é? Então tudo bem, Chris! Quando você quebrar a cara, vou fazer questão de dizer “Eu estava certo!”.
- Andrew, eu não estou apaixonado pela Analiy! A gente só se beijou! Uma vez. Só! Foi coisa de momento!
- Não. Não falo mais nada. Você é o maduro, o correto! Tudo bem!



Fui voltando para a sala, mas o Chris falou:
- Você acha que está sendo fácil pra mim, né? Que eu não me senti culpado? Andrew, eu nunca me envolvi com uma mulher casada. E além do mais, foi um beijo! Só!
- Eu sei, Chris! Só que eu temo por você!
- Não se preocupa, nada aconteceu, não é? Eu sei que sua intenção é boa, mas relaxa! Não vai acontecer nada!
- Ok! Você que sabe! Mas saiba que, eu estou aqui pro que der e vier!
- Eu sei disso, And! Vamos voltar pra sala?
- Vai indo, eu vou tomar um remédio pra dor de cabeça.



Chris saiu do quarto e eu fiquei ali parado pensando no que meu amigo havia acabado de me dizer. Porra! E se essa maluca colasse no Chris? E se o Justin der uma de marido ciumento e quiser matar meu amigo? Eu e minha mania de querer proteger meus amigos!



Eu ia voltando pra sala, quando avistei Flora entrando no quarto.
- Você está bem?
- Ah! Eu estou! É que eu fiquei preocupado com o Chris...
- É... Ele me parece calado. – Ela riu.
- Ele é caladão! Mas é que aconteceram umas coisas... Não posso contar. Sabe como é né? Coisa de melhores amigos!
- Tudo bem, amor! Eu sei como são essas coisas! 



Cheguei perto dela e passei a mão em seu rosto:
- Você chamou seus pais?
- Achei melhor não... Quero te levar lá em casa. É melhor...
- Seu pai não é ciumento, é?
- Um pouco! Ele ficou meio receoso quando disse que estava ficando com você... Sabe da sua fama!
- Ficando comigo?
- É! Não estamos? 



Foi então que me toquei que não havia feito um pedido de namoro formal à Flora.
- É. Estamos! Mas acho que falta algo...

Abracei-a e disse:
- Você aceita namorar comigo? Mesmo correndo o risco de seu pai tentar me matar? – Sorri.

Flora me olhou nos olhos. Aquele olhar de criança que se apaixona pela primeira vez.
- É claro que eu aceito! Eu seria louca de não aceitar!
- Ainda bem que você sabe! – Sorri.



Beijei minha NA-MO-RA-DA para completar aquele belo momento. Há um ano atrás eu não imaginava estar assim, namorando, bem na carreira. Eu estava feliz!



Voltamos para a sala e ficamos ali por várias horas. Conversando, falando bobagens, comendo, bebendo. Um Natal com os amigos! Algo especial! Algo que marcaria as nossas vidas, principalmente a minha... Pois, após tantos anos, eu voltara a amar e estava feliz com tudo isso!

Feliz Natal!