segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Cartas na Mesa – Parte III (Final)


Logo após Jessica ir para o trabalho, peguei meu telefone e liguei para Sophia. Não demorou muito e ela estava em minha casa.

- Eu te peço mil desculpas! – Falei.
- Não se incomode por isso. Eu entendo!
- Pior que ela não é nem tão amiga minha, mas me senti na obrigação de ajudá-la... 



Contei a Sophia sobre a situação envolvendo Begônia e, após todo meu discurso, ela perguntou:
- Qual o motivo do convite?
- Bom... Digamos que eu tenha cansado de ser interrompido quando estou com você. Celular desligado, porta trancada... O que acha de conhecer o resto da casa?



Puxei Sophia pela cintura e dei-lhe um beijo à medida que a colocava contra a parede. Ela segurava meu braço fortemente, de uma forma que chegava até a machucar com suas unhas. Uma de minhas mãos segurava seu quadril, fazendo com que seu vestido deslizasse para cima.

- Eu quero ser seu! – Foi a única coisa que disse antes d’eu pegá-la no colo.



Entramos em meu quarto praticamente nus. Tiramos o resto de nossas roupas e deitei-a na cama. O cheiro da sua pele, a doçura de seus lábios e a leveza de suas mãos me deixaram extasiado. Eu a desejava. 



Passamos a manhã inteira na cama. Sexo, carícias, conversas. Sophia não era uma garota qualquer, daquelas que você encontra, transa e depois faz questão de nem lembrar o nome. Ela era inteligente, carismática e sabia como enlouquecer um homem.



Ela adormeceu e eu fui para banheiro. Joguei as camisinhas fora e me deitei na banheira. Ela era a primeira após Flora.
- Puts! Eu fiquei um mês sem sexo! Acho que criei um recorde! – Falei para mim mesmo.

Eu estava exausto e acabei por adormecer na banheira.



Acordei com Sophia acariciando minha barriga:
- Por um instante pensei que havia me deixado só. – Ela riu.
- Oi! – Falei ao ver seu sorriso. – Vim tomar um banho para preparar algo para comermos... Acordou h muito tempo?
- Não. Eu vim aqui e fiquei te admirando... Parece tão inocente...
- Pareço! Apenas! – Sorri.
- Posso me juntar a você?
- Claro!


Sophia sentou-se em meu colo na banheira.
- Sabe, Andrew... Não me lembro há quanto tempo tenho uma manhã tão incrível como essa... Você é um homem incrível! O olhar sedutor, as mãos ágeis, o jeito másculo sem deixar de ser carinhoso... Você é o homem que toda mulher adoraria ter ao seu lado!

Fiquei assustado. Não esperava ouvir uma “declaração” daquelas de Sophia. Estávamos envolvidos sim, mas eu não pretendia manter um relacionamento com ela. 




Afastei-a um pouco e ela me olhou:
- O que foi? Falei algo de errado?
- Sophia... – Eu hesitei. – Eu te agradeço pelos elogios e, te conhecendo nessas últimas semanas, pude ver o quão incrível você é... E por isso mesmo... Bom... Você sabe da minha “fama”. Eu não sou de namorar, embora tenha terminado um namoro recentemente... Então eu não queria que criasse expectativas quanto a algo entre nós dois...

Ela me olhou fixamente. Engoliu seco e falou:
- Eu disse que você é o homem que toda mulher gostaria de ter ao seu lado... Como namorado, amigo... Ou até mesmo como um amante... Não leve a mal meu comentário. Não quis te “propor” um namoro... Aliás, não haveria a mínima possibilidade de dar certo... – Ela riu. – Você aqui, eu em Starlight... Duas criaturas da noite... Acho que chifres iriam rolar! – Rimos juntos. – Gosto de sua companhia! E quero repetir nossos encontros mais vezes...


Terminamos nosso banho em clima descontraído, comemos e, por fim, quando já nos despedíamos, Sophia falou:
- Lamento informar-te... Volto para Starlight hoje à noite!
- Já?
- Andrew, eu fiquei quase duas semanas aqui... Meu irmão precisa de mim! – Ela riu.
- Que pena! Seria ótimo ter um novo encontro contigo...
- Bom, caso queira conhecer Starlight... O convite está feito! Já decidiu para onde viaja?
- Ainda não... Quero ver se decido isso ainda hoje! – Ri.




Ela me deu um doce e leve beijo e disse:
- Te cuida!

Puxei-a de encontro a meu corpo e dei um beijo intenso e saudoso. Sentiria falta de sua companhia, mas temos nossas vidas e temos que segui-las.


À noite eu tentava resolver meu destino de viagem. Analisava um site de aluguel de casas, quando Jessica chegou à biblioteca:
- And, topa ir comigo conhecer pessoalmente a Luma?
- Quem?
- Luma! Minha amiga! Luma Morton! A francesa! A de Champs Les Sims! A estilista! Lembrou?
- Não precisava de tantos adjetivos... – Ironizei. – Acho que não vai dar, Jess! Estou cansado!
- De que? Você está de férias!

Eu poderia ter falado sobre a minha intensa manhã com Sophia, mas poupei minha irmã:
- Academia! Malhei a manhã inteira! 




- O que você está fazendo? – Ela perguntou ao se aproximar do computador.
- Olhando umas casas para alugar... Ver algum lugar para viajar... Sossego, pessoas bacanas... Alguma coisa bacana na cidade... Sei lá!
- Eu ouvi falarem hoje lá no jornal sobre um festival de culinária francesa... Você gosta... Se bem que... Esquece! A Flora trabalha com isso e pode aparecer por lá! – Minha irmã se calou por alguns instantes. – Sunlit é ótima! Esse finalzinho de outono lá será ótimo... Sem muitos raios solares e... – Eu a interrompi.
- Vou para Champs Les Sims! Não vou perder um festival de culinária apenas pelo fato da Flora estar lá! Não tenho mais motivos para me incomodar com isso... E, acima de tudo, as criaturas mais promíscuas do mundo são os franceses e os baianos... Quem sabe? 



Jessica riu por alguns instantes e disse:
- Tem um site ótimo que a Luma me indicou uma vez... Ele é extremamente confiável e as casas possuem um preço ótimo!

Minha irmã acessou o site e disse:
- Vou indo! Tomar um banho antes! Beijão!



Encontrei uma casa confortável e bem localizada. O dono chamava-se Pierre Collet. De acordo com o site, essa era uma das poucas que restavam na cidade, já que havia um movimento devido ao festival.

O festival começaria em dois dias, então resolvi colocar em prática o meu lado aventureiro. Fui para meu quarto, puxei duas malas e coloquei-as na cama. Partiria no dia seguinte!


*-*-*-*-*
Peço desculpas por não ter atualizado ontem, mas meu amado jogo travou quando faltavam quatro fotos! Como já era tarde, decidi postar hoje! ;]
Boa semana a todos!

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Cartas na Mesa – Parte II


Assim que voltei para casa, coloquei a mão na massa e fui à cozinha para preparar um jantar. É claro que não seria nada tão grandioso, mas eu poderia pôr em prática meus dotes culinários.



Sophia chegou pontualmente às 20h. Estava belíssima.
- Você está incrível! – Falei.
- Tenho de dizer o mesmo de você. – Ela sorriu. – Que cheiro maravilhoso!
- Especialidade de Andrew Baron! – Falei.



Sentamos no sofá para conversarmos um pouco até que o jantar estivesse pronto. Sophia não aceitou um drink pois estava de carro:
- Quer dizer que em dois dias você volta para Starlight?
- É... Meu sobrinho vai nascer e preciso controlar meu irmão! – Ela riu. – Ele é um tanto... Agoniado! – Ela me encarou. – Você nunca pensou em ter filhos?
- É claro! Mas digamos que eu me considere novo ainda pra isso... Vinte e três anos não é uma idade muito bacana para se tornar pai! O mundo todo lá fora ainda, pronto para ser desbravado... Gosto de liberdade.



Sophia se aproximou de mim e olhou em meus olhos... Eu a abracei e seus lábios vieram em direção aos meus, porém, antes que nos beijássemos, ela parou.
- O que foi? – Perguntei. – Algum problema?

Sophia riu e disse:
- Eu estou estranhando... Já estamos juntos há quase meia-hora e ninguém nos interrompeu. – Ela continuou a rir.



Ignorei seu comentário e a beijei. Senti meu corpo estremecer de uma forma que não sentia há meses. Foi então que senti um medo... É claro que, apesar da iniciativa do beijo ser minha, eu não estava certo daquilo. Que merda! Desde quando sou de pensar nessas coisas? Ela me largou! Não sou eu quem tem de sentir culpa de nada. 



Eu estava prestes a deitar Sophia no sofá, quando notei um vulto na porta. Ao olhar, era ela: Begônia. Sophia notou que eu havia parado e olhou também.
- Maldita boca! – Ela falou. 



Begônia foi saindo e eu fui atrás dela:
- Begônia, aconteceu alguma coisa?
- Desculpa, Andrew! Eu... Eu não devia ter vindo! Não sabia que você estava com alguém. 



Ela se aproximou de seu carro e eu a segurei pelo braço:
- Espera! – Falei mais alto. – O que aconteceu? Porque você veio aqui? – Virei seu rosto para mim e notei lágrimas em seu rosto. – Você está bem?
- Eu... Eu não sabia com quem conversar... Desculpa! Foi uma péssima ideia! Volta lá pra sala! Eu vou pra casa! 



Eu a segurei pelo braço novamente e ela desabou em lágrimas. Apoiou sua cabeça em meu ombro e disse:
- Desculpa! Eu não devia ter vindo aqui!
- Calma! Vamos entrar!



Begônia relutou um pouco, mas eu não podia deixá-la ir embora naquele estado.
- Aconteceu alguma coisa? – Sophia perguntou quando entrei em casa.
- Aconteceu... – Falei sentando Begônia no sofá.
- Olha... Eu vou indo, Andrew! A gente marca o jantar para outro dia... Sua amiga está precisando de você. 



Antes que eu ou Begônia pudéssemos nos manifestar, Sophia foi embora. Ela levantou e veio até mim:
- Desculpa, Andrew! Eu não devia ter vindo aqui! – Begônia chorava compulsivamente.
- Calma, Begônia! Fala... O que aconteceu?
- Tudo isso! Eu nunca esperaria isso do Caio... Ai que merda! Eu não devia ter vindo aqui! Nós nem somos amigos... Desculpa!



Ela caminhou até um dos jardins de inverno e falou:
- Sabe... Eu depositei todas as minhas fichas nele... Família, emprego, amizade, amor... Tudo! Eu não merecia isso...
- Ninguém merece, Begônia! Mas é a vida... As pessoas nem sempre agem como queremos... – Falei me lembrando de Flora. – Veja sua irmã, por exemplo, ela preferiu ir embora...
- Mas a Flora te ama... 



Begônia virou para mim:
- Ela te ama muito! Tanto é que preferiu ir se reerguer ao invés de se sentir “inferior” a você.
- Mas eu nunca pensaria nela dessa forma...
- Mas os outros, Andrew! Você é um homem público...
- Mas eu não me importaria! Eu mudei MUITO por ela, Begônia!
- Então porque você não deixa esse orgulho de lado e vai atrás dela?

Notei que as janelas desembaçaram, provavelmente a temperatura estava aumentando.



- Porque ELA escolheu assim e eu tenho que respeitar. – Foi a única coisa que falei.
- Tudo bem... Desculpa! Eu vim aqui, atrapalhei sua noite e ainda por cima fico falando sobre isso... Desculpa.
- Não foi nada. Olha, o jantar já deve estar pronto... Já que minha convidada foi embora, aceita comer comigo? 



Begônia foi lavar o rosto e retocar a maquiagem enquanto eu servia o jantar. Ao voltar, ela me contou como foi que ela agiu com o Caio. Foi curta e grossa e rompeu o namoro.
- Ele mereceu! Ah sim! Fale com a Jessica que ela vai processar o Caio! Tenho uns amigos na polícia e quero saber se esse assalto aqui tem a ver com ele...
- Obrigado!
- Não foi nada! – Ela sorriu. – Li em algum lugar que você terminou de gravar um filme agora... Vai curtir as férias?



- Sim! – Dei uma risada. – Estou precisando MUITO de férias! Problemas e mais problemas ao meu redor... Preciso de um tempo curtindo! – Sorri.
- Já tem um destino?
- Não sei ainda... Pensei em visitar meus pais, mas Barnacle não é dos lugares mais animados para curtir férias. Pensei em Sunlit ou Champs Les Sims... Não sei ao certo! Na hora decido e pronto!
- Sunlit é linda! – Begônia falou sorrindo. – Fui lá quando criança... Acho que será meu destino nas próximas férias!
- Você tira férias? – Zombei.
- Claro! Sou durona apenas por fora, Baron! No fundo, sou uma mulher como todas as outras! Mesmas inseguranças, mesmas incertezas...
- Bom saber! Assim você não me mete mais medo! 



- Bem, o jantar está ótimo, mas preciso ir pra casa...
- Já? O papo está ótimo!
- Eu preciso, meu caro... Não avisei que demoraria... Meu pai deve estar preocupado comigo. Antes de sair vou ligar pra ele. Obrigada por tudo, Andrew! E... Desculpa mais uma vez por ter sido grossa com você quando nos conhecemos e por ter estragado a sua noite...
- Relaxa... Está tudo tranquilo! Fica bem, tá?
- Pode deixar!

*-*-*-*-*
Apenas lembrando-os de que as atualizações agora serão apenas aos domingos! ;] 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Diminuição dos Dias de Postagens

Olá a todos! Como foram de Carnaval? Bem?
Pois então... Devem ter reparado que não atualizei ontem como prometido. Voltei de Salvador ontem, porém não estava em casa. Hoje venho aqui dar uma notícia um tanto... Err... Chata!
Como todos sabem, não passei no vestibular e minhas aulas recomeçam amanhã. Eu passarei a não dispor de tanto tempo quanto agora, e - mesmo contra minha vontade - diminuirei os dias de atualizações. Elas serão feitas APENAS AOS DOMINGOS!
Caso queiram conversar comigo, entrar em contato, podem falar lá na página do And, que o tio responde.
Peço desculpas, mas como diriam os outros: "é a vida".
Eu ficarei mais ausente dos blogs e lerei as atualizações de todos - ou a maioria - apenas nos domingos.

Até breve! ;]

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Cartas na Mesa – Parte I


Não sei o que me deu. Eu estava decidido a enviar as mensagens todas ao pai de Flora e Begônia, porém, fiquei receoso em entregar-lhe as mensagens e que ele fizesse alguma loucura. É claro que eu tinha vontade de sobra para dar uma surra no canalha do Caio, mas eu era uma figura pública e expor a mim e a minha irmã dessa forma era pior.
O que mais me fez hesitar foi imaginar o sofrimento de Begônia. Ela era uma boa pessoa, e eu não queria que ela sofresse.

Porém, esse era um mal necessário.



Às 7:30h, liguei para Begônia. Evitei falar qualquer coisa por telefone e pedi que ela viesse a minha casa ainda naquela manhã. Não demorou muito e ela chegou e minha casa:
- Aconteceu algo? Foi a Flora? –Ela perguntou preocupada.

- Desculpa te ligar assim sem dizer nada, mas é que... Bom... Eu não sei como fazer isso, mas eu não podia te deixar sendo enganada.
- Como assim? O que você está dizendo, Baron?



Begônia deixou a bolsa cair no chão ao pegar o celular. Ela olhava incrédula para o aparelho.

- Desculpa mesmo, Begônia! Eu não queria fazer o papel de fofoqueiro, mas minha a casa foi assaltada essa noite e... Eu não sei! A Jessica está apavorada!
- Diga para ela ficar tranquila. – Foi a única coisa que ela falou. – Obrigado por me contar isso.
- Olha, desculpa mesmo! – Fiquei chateado ao vê-la daquela forma.



Fui para o quintal e sentei no balanço. Fiquei ali pensando em como meus dias estavam... Problemas da Jessica, do Christopher... Meus problemas... Eu parecia estar me envolvendo nos problemas dos outros para evitar os meus... Eu não estava feliz...



Estava tão aéreo com meus pensamentos, que nem percebi a chegada de Sophia:
- Me permite tirar uma foto desse momento? – Ela falou sorrindo. – Vendo você, Andrew Baron, assim... Acabo de me sentir uma pessoa especial!



- Como entrou? – Perguntei.
- Sua irmã estava na sala. Nem precisei tocar a campainha! – Jessica não iria para o jornal pela manhã. – Vim te convidar para um festival que está tendo no parque... Disseram que é temático!

Dei uma risada e ela indagou:
- O que foi? Você não gosta?
- É que não temos sorte! Sempre que nos vemos, algo acontece! Daqui a pouco preciso estar no estúdio... Vou gravar as últimas cenas do filme... Amém! – Sorri. – Mas se você quiser, podemos jantar aqui hoje à noite? Topa?
- É claro! – Ela sorriu.

*-*-*-*-*
Amigos, peço desculpas pela falta de atualizações na terça (havia prometido uma extra) e na quinta (que seria a da quarta). Tive algumas obrigações essa semana e mal entrei no jogo. Peço desculpas também pela atuh de hoje. Ela foi feita em menos de uma hora (agora) e iria ser maior, porém um dos meus sisos inferiores está nascendo e doendo MUITO e viajo amanhã cedo. Eu iria deixar a atualização de domingo pronta, mas não consegui. A próxima atualização será na terça ou na quarta! Ainda não respondi os comentários da última atualização e prometo respondê-los na terça. Um bom feriado a todos! Curtam o carnaval da forma que gostarem - eu estarei na casa de minha tia. 
Se beber, não dirijam! Sexo com camisinha! ;]

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Uma Noite Quase Perfeita


Sai da casa do Christopher e fui direto pra minha casa. Não haveria nada para fazer naquele dia... Não haveriam gravações e as minhas últimas seriam no fim dessa semana. Eu estava quase de “folga”!
Tomei um banho e fiquei me olhando no espelho... Não vou me estressar com problemas do Christopher! Ele é grandinho demais para saber o que faz! Não iria colocar rugas em meu rosto por causa do problema dos outros...

Notei meu celular vibrar em cima da bancada.



Olhei o visor e nele havia uma mensagem:
“Desculpa ter sido tão invasiva ontem! Notei que você não estava muito bem... Sinto muito pela indiscrição. Enfim... Quando quiser marcar algo, estarei aqui! Pelo menos até o próximo final e semana! Beijos ;**”

Era Sophia. Eu estava tão absorto em meus pensamentos que acabei afastando sua presença na noite anterior... Acorda, Andrew! Não vai adiantar nada você sofrer por um romance que durou menos que três semanas! Não ia bancar o viúvo sofredor. Enviei uma mensagem:
“O que acha de curtirmos o Aquário esta noite? Sei que parece figurinha repetida, mas é bem reservado... Sem paparazzi, sem fãs! Você que sabe!  ;]”



Sophia confirmou sua presença no Aquário naquela noite. Às 20:00h em ponto –como combinamos -, eu já estava à sua espera na cobertura. Pedi uma bebida e fiquei esperando no bar. 



Pouco menos de dez minutos depois, Sophia chegou. Ela estava deslumbrante.
- Você está incrivelmente linda! Desculpe-me por ontem... Estava preocupado com alguns problemas que aconteciam aqui... Perdão!
- Não há problema! Só de me convidar para vir aqui, está perdoado! – Ela sorriu. – Não está meio vazio?
- Pois é... Notei também... Mas não vamos deixar de curtir a noite por isso, ou vamos?
- Claro que não!
- Aceita um drink?
- Ainda não... Vamos dançar?



Dançávamos e conversávamos ao mesmo tempo. Ela era uma garota agradável ao extremo! Não foi inoportuna em me cantar e nem ao mesmo fica falando sobre si. Ela era inteligente, perspicaz e sabia dançar divinamente.

Foi então que meu celular tocou. Pedi licença e atendi. Era Jessica!



Enquanto minha irmã dormia, uma ladra invadiu nossa casa. A sorte é que o alarme foi acionado e quando avistou a Jessica na sala, a bandida fugiu. Uma policial disse a ela que conseguiram pegar a bandida algumas quadras depois.



Sophia entendeu a situação e até me acompanhou em casa. Abracei minha irmã, aliviado por nada ter acontecido com ela. Jessica se despediu de mim e Sophia e voltou para a cama.



Voltei minha atenção para Sophia:
- Desculpa por esse transtorno. Você achando que ia ter uma noite agradável e tudo foi por água abaixo, não?
-Fica tranquilo, Andrew! Não foi nada. – Ela sorriu. – Será que você poderia me conseguir um táxi? Não quero te atrapalhar...
- Não, não, não! Nada disso! Você dorme aqui! – Notei que ela ficou com os olhos arregalados. – O quarto de hóspedes está pronto! Peço que aceite!



Sophia hesitou:
- Acho melhor não... Sabe como são os fotógrafos, não é? Vão maldar... Acho melhor eu ir para casa. Agradeço o convite!
- Então eu te acompanho! E te convido para um jantar amanhã à noite aqui em casa. Não aceito não como resposta!
- É claro que aceito! –Ela sorriu.



Deixei Sophia no hotel e, ao voltar para casa, encontrei Jessica sentada no sofá:
- Com medo, Jess?
- And, senta aqui... Quero falar contigo.


Sentei ao lado de minha irmã e ela falou:
- Você tem alguma arma?
- Arma? Eu? Não! Qual o caso da pergunta?
- Era só pra me certificar que você não faria nenhuma loucura...
- Ok. Agora fala. Fiquei preocupado.
- Lembra do Caio, cunhado da Flora?
- Lembro... O que tem?
- Ele está dando em cima de mim!


- COMO ASSIM? – Eu dei um pulo do sofá. – O QUE ELE FAZ, JESSICA?!
- Calma, And! Ele descobriu meu celular e vive me mandando mensagens, me convidando pra sair... Ele é NOIVO! Corto as investidas dele, mas ele continua! Eu não sei o que fazer! Eu hesitei em te contar, mas ai com esse assalto aqui fiquei com medo... Não vai fazer uma besteira, pelo amor de Deus!
- Ah! Mas pode deixar! Esse Caio vai ver muito bem com quem ele se meteu...

Subi as escadas e Jessica indagou:
- O que você vai fazer?
- Pode deixar... Eu sei bem como resolver isso.