domingo, 26 de maio de 2013

Trama Mexicana – Parte I


Assim que cheguei à casa de Derick, meu amigo veio me receber pela lateral da casa:
- Mas que surpresa é essa?
- Achou mesmo que eu viria nesse fim de mundo e ia me esquecer de te visitar?


Ao entrarmos na casa, Lucas veio correndo em minha direção:
- ANDREW! – Ele me deu um forte abraço. – Quanto tempo!
- Pois é, garoto! Você cresceu mais uns... Três centímetros?
- Errou! Dois!
- Ah! Está parecendo três... – Sorri.
- Nós estávamos de saída... – Derick falou.
- Você está me botando para fora, sua bichona?
- Andrew! – Ele me repreendeu com o olhar devido à presença de Lucas, que apenas riu. – Íamos ao cemitério... Agora o movimento é menor.
- Pois esqueça! Tenho certeza que hoje não é dia de cemitério.
- Mas eu prometi ao Lucas...
- Tem nada não, pai! Vamos ver o que o Andrew quer fazer!
- Ótimo, Lucas! Você é dos meus... O que acham de darmos uma volta pela cidade?


Estava acontecendo um festival sazonal em frente à casa de meus pais e resolvi levar meu amigo e seu filho até lá. Ao chegarmos, Lucas saiu correndo em direção à pista de patinação.
- Lucas, volta aqui!
- Deixa ele, Derick! Nós estamos perto... Deixa o garoto se divertir... Vem. Vamos sentar!


Sentamos e falei:
- Desculpa, Derick! Eu sei que não devo me meter, mas... Há quanto tempo você e o Lucas não saem?
- Eu... Eu não sei.
- Cara, olha... Eu sei que é difícil. Você amava a Rebeca e não tenho dúvidas de que ela te amasse da mesma forma! Só que agora você tem que focar a sua vida no Lucas! Poxa! O garoto vai faze sete anos e vive dentro de casa! Ele precisa sair, se divertir, conhecer gente... Sei que você é um pai maravilhoso, mas ele precisa de um “algo a mais” né?

Derick permaneceu calado por alguns segundos, até sussurrar um singelo “Você tem razão!”


- E a sua pesquisa com as plantas? Tem dado certo?
- Tem sim! Eu tenho me revezado entre dar aulas no colégio e trabalhar no laboratório... Deixo o Lucas com meu pai e pego ele à noite. O único problema é que não encontramos um terreno para fazer o plantio... A cidade está cheia de terrenos vazios, mas que em breve vão se tornar hotéis!
- Um terreno? Nossa! Que coincidência! Lembra daquela minha ex-namorada, a Flora?
- Ouvi falar...
- Então... Ela morava aqui, mas agora está em Shang Simla. Ela tem uma casa um pouco afastada do centro da cidade, mas que tem uma área especial para plantio...
- Sério? Será que ela cobraria muito caro para alugar?


- Olha... Acho que não! Eu posso até conseguir um desconto... Aliás, a irmã dela está até na cidade! Eles têm uma filial da empresa da família aqui... Tenho o número dela... Você liga para ela e marca.
- Droga! Preciso disso pra ontem! O laboratório vai pagar o aluguel, mas eu preciso conversa com ela e ver o terreno antes... Só que não posso essa semana! Vou ter de ir buscar o Lucas no colégio.
- Não seja por isso. Apesar d’eu não ter o mínimo apreço por bancar a babá, posso levar o Lucas para almoçar lá em casa! Pelo menos a mamãe vai ter alguém para comer o batalhão de comida que ela faz... Ela acha que vou comer tudo, mas, se faço isso, perco meu emprego! Preciso manter o físico... Eu pego ele no colégio e você marca com a Begônia! Tenho certeza que vai dar tudo certo... – Sorri maliciosamente.

*-*-*-*-*
Amados fans! Peço desculpas pela ausência... Além da internet em Barnacle Bay ser terrível, o amarelo teve a formatura da mãe e parece estar ficando biruta... Agora inventou de fazer um curso à noite. Mereço? Já avisei que se começar de palhaçada me deixando de lado, eu arrumo outro empregado. Onde já se viu? Aliás, ando escrevendo ultimamente... Quem sabe na quarta mando ele postar um texto que fiz sobre o Lucas? Ah sim! Desculpem-me por não estar visitando os blogs dos amigos, mas se alguém souber como dividir o Aníbal em 5 (de preferência multiplicando ele), agradeço! 
Um grande beijo a todos, em especial às garotas mais lindas do mundo, que são as que comentam aqui... Até semana que vem!

domingo, 12 de maio de 2013

Dia das Mães 2013


Alguns dias depois...

Apesar da tristeza após a “rejeição” no amor, consegui voltar a sorrir. Tive algumas reuniões em Bridgeport, além de provas de roupas e outras coisas. Em duas ou três semanas eu teria de ir para Appaloosa Plains para as minhas aulas de equitação e pilotagem. Resolvi aproveitar esse “intervalo” e ir até Barnacle Bay passar o dia das mães em família.



Quando cheguei, mamãe e Jessica me receberam na porta. Dona Cassandra ficou sem acreditar que eu estava ali. Comecei a bater palmas e gritei:
- Feliz dia das mães!

Jessica me acompanhou e minha mãe, emocionada, começou a bater palmas também.


Mamãe veio em minha direção e me deu um forte abraço:
- Meu filho, que bom te ter aqui!
- Ah! Eu também quero abraço! Vou ser mamãe em alguns meses, And!
- Fica na sua, Jessica! Vim parabenizar a minha mãe! – Provoquei.


Entramos, guardei minhas malas na biblioteca e peguei os presentes. Para Jessica, dei um urso que seria para meu sobrinho ou sobrinha. É difícil comprar um presente para um bebê que você não sabe o sexo. Já para mamãe...
- Filho, não precisava! – Ela agradeceu quando entreguei a caixa de presentes. – São livros?
- Sim! Uma trilogia... 50 tons de cinza, 50 tons mais escuros e 50 tons de liberdade...
- Andrew, como você dá um livro erótico pra nossa mãe? – Jessica quase gritou.
- Você está grandinha demais para acreditar na história da cegonha, Jessica! – Mamãe falou. – Obrigada, filho! Vou aproveitar com certeza!


Assim que papai e Alexandre chegaram, sentamo-nos à mesa para o tão esperado almoço, porém os dois presentearam suas esposas com buquês de rosas.
- Vocês quatro são uns lindos, mas acho que a comida está esfriando e meu estômago roncando! Vamos ao ataque! – Falei evitando aquele papel de “vela” ao qual eu estava submetido.



Almoçamos, rimos, conversamos, perturbamos... Enfim! Era bom estar em família novamente! Principalmente por um motivo a mais de alegria: a gravidez de Jessica! Estava tudo muito bom, mas eu precisava ir a um lugar. 



Eu já estava indo para o carro quando Jessica veio atrás de mim e falou:
- Você vai até a casa da Flora? 



Minha irmã se aproximou e eu falei:
- Você sabe que a Flora não é a única pessoa que mora em Barnacle Bay que conheço e, além do mais, ela está na China uma hora dessas.
- Ah bom! Porque eu ia te dar uma bela surra!
- Vou até a casa do Derick. É o primeiro ano dele e do Lucas sem a Rebeca... Quero dar uma força.
- Certinho!
- Não me esperem para o jantar!



Enquanto dirigia, acabei lembrando da dor de meu amigo e de como ele e Lucas estariam sofrendo naquele dia. Ele precisava de alguém que o amasse.

E eu já sabia quem poderia ser essa pessoa...

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Angel


Eu ainda teria umas semanas até viajar... Precisava ir mais cedo para fazer umas aulas de equitação e de pilotagem de motos... Seriam árduos dias de trabalho, mas eu conseguiria!
Acabei por me enfurnar no facebook – além de estudar minhas falas – e foi lá que conheci uma bela garota... Seu nome? Não importa... Mas eu a conheci. Linda. Um anjo!

Eu já havia a adicionado semanas antes, mas o fato dela ter um noivo me impediu de tentar uma aproximação – vocês sabem o que penso sobre mulheres compromissadas -.
Quando fiquei cansado de usar o facebook, pensei em desativá-lo, mas antes que eu o fizesse, vi que o belo anjo havia rompido seu noivado. Um misto de felicidade, receio e tristeza invadiu meu peito. Fui tomado por uma sensação a qual eu já conhecia... Não. Não era somente tesão, era algo maior...

Consegui me ver de uma forma completamente diferente... Eu não era mais o mesmo! As festas, as baladas, tudo passou a ter um segundo plano em meus dias... Eu apenas sentia vontade de conversar com ela, de saber como ela estava... De ver a “bolinha verde” do status online ali... Comecei a notar que isto estava se tornando um vício: o de querer falar com ela, nem que fosse por poucos minutos...

É. Eu estava fodido! Ou melhor dizendo, estava apaixonado! Pensei qual poderia ser meu problema... Porque eu só consigo me apaixonar pelas garotas fofas, lindas, perfeitas?  A única exceção foi Rebeca, e olha que ela foi o meu primeiro amor... Oh droga! Não era paixão, era amor! AH MERDA!

Acabei por confessar meus sentimentos... Por um ímpeto, a pedi em namoro, ela não aceitou... Seu noivado havia sido rompido recentemente e ela não se sentia pronta para um novo envolvimento...

Os dias passaram... Eu compreendi. Certo dia, conversávamos sobre a vida, sobre loucuras... Ela disse que gostava do meu jeito “cafajeste”... Que me achava romântico... Mas que só poderíamos ser amigos. Aceitei. Deixei de lado, embora meu coração ainda palpitasse toda vez em que eu via a “bolinha verde” ao lado do seu nome na lista do bate-papo.

Saí, curti, fiz de um tudo para esquecê-la... Criei um Ask (uma rede social na qual as pessoas nos fazem perguntas) e me soltei! Eu a notei diferente... Ela estava mais acessível, mas eu não conseguia mais imaginar um “futuro”... Ela sabia dos meus sentimentos... E como sabia...

Agora sinto um vazio em meu peito. Um vazio com o qual eu havia lidado há pouco tempo... DROGA! Eu a amava, mas não me sentia pronto para viver um namoro, casar, ter filhos e o resto... Eu apenas a queria... Sem pressas, sem medos, sem expectativas... Carpe Diem: viver o hoje, o agora.

Seja feliz, meu anjo... Mesmo que seja nos braços de outro... Do homem que você “escolheu”... Do homem certinho e perfeito com o qual você sempre sonhou... Dói. Como dói...  


BARON, Andrew; O cafajeste que um dia te amou

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Novo Visual


Jessica viajou para Barnacley Bay dois dias depois. É claro que avisei para minha mãe – em segredo – para que ela preparasse o terreno. Não queria que meu pai tivesse um ataque cardíaco ao descobrir que seria avô... Mamãe seria sutil.

Quatro dias depois, Stanley me ligou e ficou de vir até minha casa para uma reunião. Estranhei.
- Seu careca safado! Quanto tempo!  A que devo a honra de sua visita?
- Ah! Uma ótima oportunidade, meu caro! Vou ser rápido! Tenho duas reuniões hoje... Passei aqui porque é caminho.
- Vamos sentar!


- Não precisa! Vou ser direto! Aceita ser um dos antagonistas do meu próximo filme? Pensei em te colocar como protagonista, mas quero alçar novos horizontes para você, Andrew! Chega de mocinhos por enquanto!
- Se eu aceito? É claro que sim, Stan! Fale mais...
- Vou enviar a sinopse para seu e-mail. É um garoto rebelde, filho de um mafioso poderosíssimo. Ele e o pai brigam porque seu personagem é mais ousado nos negócios, já o pai é mais cauteloso. O seu pai será o Matthew Hamming. O protagonista será um policial interpretado pelo Reuben Littler. Está sendo considerado o projeto mais top de 2013!
- Ual! Claro que aceito, Stanley!



Stanley parou e ficou meio receoso.
- Só tem um... Probleminha!
- Fala. – Estranhei.
- Preciso de um Andrew rebelde! Cortar cabelo... Enfim! Não sei se você aceitaria algo mais ousado...
- Stanley, sou profissional. Acabo de ter umas ideias... Acho que você vai gostar.
- Não hoje e não agora. Vamos ter umas filmagens em Appaloosa Plains. Ainda vou agendar tudo, mas aviso com antecedência. – Ele olhou para o celular. – Droga! Estou atrasado! Depois nos falamos melhor, Andrew!
  

Stanley saiu apressado e fiquei ali pensando na minha “ideia”... Seria arriscado, ousado... Nunca havia feito nada do tipo, mas para um personagem... Valeria a pena!



Quando desliguei o barbeador e me olhei no espelho, falei:
- É... Não ficou tão mau quanto eu pensava... Só preciso de um pequeno teste... 



Rudy Muddler, a mixóloga do O Moedor ficou surpresa ao ver meu novo visual:
- Andrew, você está com uma cara de safado...
- Só a cara, Rudy?
- Você é um safado! Se eu não fosse casada, juro que dava em cima de você...
- Tenho certeza que sim, Rudy! – Sorri.



Já havia terminado meu primeiro drink, quando uma bela morena aproximou-se de mim e disse:
- Então você é o famoso Andrew Baron...

Olhei para ela e disse:
- Hum... Acho que estou em desvantagem... Não sei o seu nome...
- Alícia! Alícia Mackenzie! Uma das diretoras do filme que você vai fazer... Pelo visto já entrou de cabeça no personagem...
- Prazer, diretora! É... Resolvi testar. Estou aprovado?
- Com certeza!



Ela aproximou-se de mim e falou:
- Sabe, Andrew, você é novinho, mas tem um charme...
- Tenho muitas outras qualidades...
- Infelizmente não posso conhecê-las... A mídia sensacionalista iria dizer que você anda dormindo com diretoras para conquistar papeis em filmes...
- Quem sabe as escondidas?
- Quem sabe? – Ela sorriu.

Pedi uma bebida e brindamos.

*-*-*-*-*
Anjos, peço desculpas pelo atraso... Porém, além do amarelo estar estudando MUITO, a mãe dele vai se formar no dia 18, ou seja, a vida anda corrida com os preparativos! Um grande abraço a todos! E bom "resto" de semana!