sexta-feira, 23 de maio de 2014

Recomeços


O Dia das Mães se aproximava.  Eu havia prometido para minha mãe e para Jessica que iria estar presente esse ano. A surpresa que providenciei foi a de que passaria uma temporada em Barnacle Bay. Aproveitei a viagem para fazer uma reforma em minha casa. Porém, é claro, que naquela casa o que mais me chamava à atenção era a presença de Tony, meu sobrinho e afilhado. Como aquele garoto era esperto! Ele lembrava muito a Jessica em algumas atitudes involuntárias ­– considero que isso seja um defeito da família Baron: espontaneidade ao extremo – e fisicamente tinha o cabelo do pai e só. 


Passar os dias com Tony fez com que eu lembrasse de algumas coisas... A presença de Lucas em minha vida e o filho que Flora havia perdido. Era engraçado porque, justo eu, que nunca havia tido a ideia de ser pai, havia me tornado um pai muito louco para os filhos de meu amigo e de minha irmã. Era engraçado que, justo eu, que sempre quis evitar ter filhos, tinha a vontade de tê-los. Agora era tarde demais... Eu havia desperdiçado a última oportunidade quando rompi com Flora. Eu estava trabalhando demais, ela também, tempo curto, pouco sexo, pouca proximidade... 


Naquela noite, ao entrar no facebook, avistei o nome de Flora no bate-papo. Estranhei, pois ela o havia desativado há alguns meses... Puxei papo, falamos sobre a vida, sobre Tony e sobre sua vinda para férias em Barnacle Bay, além da venda da casa onde ela morava. Na noite seguinte, resolvi visitá-la.


Floco foi correndo atrás de Violeta, que ficou assustada em vê-lo daquele tamanho. Flora me deu um abraço apertado e disse:
- Que saudade de você!
- Saudades suas também! – Fale olhando em seus olhos.


Assim que Floco entrou na casa, foi correndo rever sua grande amiga Violeta, que ficou assustada com o tamanho com o qual ele havia ficado! Floco havia crescido muito nos últimos seis meses e já não era mais aquele doce filhote que eu carregava no colo.


Flora me contou sobre sua vida nos últimos meses: uma proposta de trabalho negada na França, casamento da Begônia se aproximando e a mudança de sua irmã para Barnacle Bay.
- E agora eu vou vender a casa para ficar com meus pais lá. Eu tenho o meu trabalho, tenho alguns antigos amigos... Enfim, finalmente resolvi voltar para Bridgeport.
- Já eu estou me sentindo completamente o oposto... – Falei desmotivado.
- Como assim?
- Meu melhor amigo, digo, meu único amigo se casou, mudou de cidade... Só temos contato por telefone e pelo facebook.
- Mas e o pessoal do estúdio? Eu lembro que você tinha amizade com o Matthew Hamming, o Reuben Littler. Tinha também aqueles amigos do Chris, o Justin e o outro Matthew.
- Bom... Meus colegas de trabalho só se importam com business... Os amigos do Chris eu tinha contato apenas nas festas. A Alexis também... Tornei-me padrinho do seu filho, mas acredita que só o vi no dia do batizado? Ela e a Catarina se mudaram para Twinbrook. 


- E você está pensando em vir morar em Barnacle Bay? Você não tinha repulsa a essa ilha? – Ela riu.
- Sim... Ainda tenho um pouco. Não gosto desse clima praiano, sou apaixonado pela riqueza, pelo barulho de Bridgeport... Só que eu quero estar perto de quem eu amo. Chega de me isolar, de querer ser o Andrew Baron fodão, pegador... Conviver contigo, com o Lucas e com o Tony me fizeram ter vontade de criar raízes, de ter uma família.
- Mesmo que isso te custe abandonar a carreira de ator?
- Não! Não pretendo abandonar a carreira. Quando tiver algum trabalho bacana, vou para Bridgeport. Posso vender a casa e comprar um apartamento. Sei lá...
- Sabe o que eu faço quando preciso pensar? Eu olho as estrelas... Elas sempre nos dão as respostas. 


Flora me puxou para o lado de fora da sua casa e sentou no chão.
- Vem! Senta!
- Flora, eu não acredito que essa sua alma hippie ainda exista! – Sorri. – Não é melhor irmos para o térreo e olhar com o telescópio?
- Senta logo, Andrew! – Obedeci. - Se tem uma coisa que aprendi com os chineses é que olhar para a natureza nos traz muitas coisas. Dentre elas, as respostas que precisamos. Basta refletirmos...
- Será?
- Basta você crer... 


Enquanto Flora observava o céu, tive um ímpeto adolescente e segurei sua mão:
- Sabe o que eu realmente quero?

Flora sorriu e disse:
- Andrew... Nós já tentamos. Não vai dar certo! - Ela sorriu.


Flora levantou e eu segurei suas mãos:
- Olha... Nós dois erramos e nosso namoro só terminou porque nós dois não nos encontrávamos direito. Eu trabalhava durante o dia, você durante a noite... Você me disse que seria um tempo... Até nos adequarmos mais um ao outro. Há uns dois anos atrás era você quem queria fugir pra cá e era eu quem não queria sair de Bridgeport.
- E agora estamos diferentes de novo. And... Somos opostos!
- Os opostos se atraem. – Sorri. – Eu quero te ter ao meu lado. Eu não abri mão de Bridgeport há dois anos atrás, mas estou disposto a abrir mão das duas se for preciso. Morar na França, na China, até no Egito... Eu quero ficar ao seu lado, Flora!
Ela me olhou com um brilho nos olhos e disse:
- Eu quero ficar com você... Eu quero ser feliz ao teu lado. Sabe... A gente tenta se acertar, mas sempre dá algo errado. Da primeira vez foi uma idiotice minha, da segunda uma idiotice nossa.
- Da terceira poderia ser uma idiotice minha... Mas acredite, eu não vou fazer nenhuma com você. 


Flora me olhou com uma expressão pensativa. Então falei:
- Então... Se você aceitar ser minha namorada novamente, eu tenho um presente pra você... Uma surpresa!
- Surpresa? Que surpresa, Baron? -  Ela riu. – Você ama surpreender... Às vezes, até demais! – Ela falou me dando um tapa no braço.


Ajoelhei-me e catei em algum bolso da calça o presente que havia comprado naquela tarde. Flora me olhou assustada e colocou as mãos na boca.
- Andrew, eu... Eu... Você...
- Flora, eu nunca imaginei fazendo isso e nunca fiz isso no cinema, então... Acho que sei o que falo... Você aceita se casar comigo?
- Andrew, eu não sei o que dizer. Você me pegou de surpresa...
- Então aceita!
- Não é assim, seu maluco! A gente tem que pensar!
- Comigo é assim! – Sorri. – Aceita?


Flora estendeu sua mão e coloquei a aliança em seu dedo.
- Sim! Eu aceito casar contigo, seu louco!
- Eu sou louco! E uma vez eu li que as melhores pessoas são! 


Rodopiei Flora e a segurei em meus braços, falando:
- Agora você tem um pequeno problema, mocinha!
- Mais surpresas, And?
- Sim! Você precisa conseguir um vestido de casamento em menos de 1 mês!
- HÃ? – Flora berrou.
- Nós vamos casar com o Derick e com a Begônia!

10 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. EBA!!! Finalmente aconteceu!!! \0/
    Quero ir nesse casório!!! Quero bolo!!!!
    Eu, Sandra, tenho coisas em comum com sua noiva; "alma hippie". Quando criança, amava ver as estrelas!! Acho que não faço mais isso, pois hoje, moro em uma cidade que é difícil vê-las!
    beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Que perfeito esse capitulo And!
    Fico feliz por ter se acertado com a Flora! Torço por vooc's! *-*
    A espera do próximo! Beijos

    ResponderExcluir
  4. OMG! Tu és louco mesmo, danado! Só um "sim" para voltarem a namorar e já a pediu em noivado? Felicidades! =D

    ResponderExcluir
  5. Bota os personagens para download

    ResponderExcluir
  6. Olá! Dei uma olhada no seu blog e achei super legal! Estou pensando em fazer um semelhante, com uma sim que criei. Gostaria de saber se você poderia me dar uma ajuda (caso necessário rsrs)
    Parabéns pelo noivado rsrs espero que dessa vez não haja problemas ;)

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo site!

    Ajuda a divulgar?
    emilydavesthesims3.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Ainw, que fofura seu sobrinho *-* Parece ser bem levadinho também! hahaha
    Se puder, da uma passadinha no meu blog? Estou começando uma história! Beijinhos :*
    http://historiadajussims3.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir