domingo, 4 de janeiro de 2015

Novo Ano, Velhos Hábitos


Eu estava disposto a esquecer Flora de uma vez por todas. E eu havia resolvido fazer isso da forma mais destrutiva possível: trazendo o velho Andrew de volta à ativa. Baladas, bebidas e o sexo casual fizeram com que eu conseguisse esquecer dos meus sentimentos enquanto estava acordado. 


Porém, em meus sonhos, eu ainda sentia a presença de Flora. Aquele amor, os seus beijos, seus abraços... Eu a amava. Como eu a amava, mas já era hora de esquecer e seguir em frente.


Com o Ano Novo, fui ficando levemente nostálgico. Consegui me lembrar de dois anos atrás, quando passei o Ano Novo com Jessica, Christopher, Flora e seus familiares. Porém, eu entraria 2015 com a presença do meu fiel escudeiro.


Após as 22h, resolvi abrir uma garrafa de néctar. Enquanto admirava a imensidão de Bridgeport, percebi o quão pequeno eu era. Percebi o quão meus sentimentos eram pequenos. Ainda olhei algumas vezes no celular a mensagem que tanto quis mandar, mas não, eu não podia fazer isso! Por mais que eu estivesse sofrendo, eu sabia que amar Flora naquele momento iria me consumir. Eu não queria, eu não podia sofrer! Eu era mais forte que isso! 


Nos últimos meses, percebi algo: eu não era mais o mesmo Andrew Baron. Algo havia mudado em mim. Algo havia mudado a minha essência. Por mais que por fora eu mantivesse a pose, a postura de homem frio e maduro, por dentro eu queria, eu ansiava, eu precisava de um amor. Eu não preciso dessa vida. Eu só preciso de alguém por quem morrer, alguém por quem chorar. Mesmo que eu saiba que posso quebrar a minha cara infinitas vezes, eu estava disposto a tentar, a buscar alguém que me compreendesse, que me amasse. Alguém que, simplesmente, pudesse sentar comigo e chorar, sorrir, dançar. 


Fiquei tão distraído em meus devaneios que mal notei a campainha tocar. Corri para abrir a porta e, pelo vidro, pude ver quem era. Por mais que eu estivesse surpreso e sem entender a sua presença.
– Será que tem mais um lugar à mesa?

4 comentários:

  1. Huuummmmm quem será? Nem te conto por que eu também não sei.... Kkkkkkkk

    Abraços amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Quem será" né, Cretino? RAI AI!

      Abração, viada! <3

      Excluir
  2. Andrew Baron e seus infinitos momentos de filosofia interior. Adoro isso!
    É, acho que a Flora já deu o que tinha que dar né, e se não deu certo, fazer o que, é a vida.
    Eu não faço ideia de quem seja essa pessoa, mas boa sorte aê colega! çldfmljopfpowekef
    Saudades de comentar aqui, só pra deixar claro. wemfjfoi x3

    Beijos e abraços, falou. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro filosofia. E sexo! HAHAHAHHA
      Sim! Flora já deu o que tinha que dar. Pelo menos pra mim! (Comentário super escroto, eu sei!)
      Saudades do pessoal aqui! Estou voltando! <3

      Beeeijos!

      Excluir